SISTEMA CONSTRUTIVO – ALVENARIA CONVENCIONAL

05 fevereiro 2016

A alvenaria comum é um sistema construtivo popularmente conhecido pelo fato da utilização de tijolos cerâmicos comuns como vedação. É uma alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. A vedação vertical é responsável pelo fechamento da edificação e também pela compartimentação dos ambientes internos.

Sendo usados a anos, ainda hoje é um dos métodos construtivos mais utilizados por construtoras, tanto para obras em edificações quanto para as residências. Para executar um projeto deste porte é preciso contar com a ajuda de profissionais qualificados.

Vantagens Competitivas da Alvenaria de Vedação

  • Desempenho funcional da parede de alvenaria como vedação de bom a excelente
  • Bom isolamento térmico;
  • Bom isolamento acústico;
  • Boa estanqueidade à água;
  • Excelente resistência ao fogo;
  • Excelente resistência mecânica.
  • Durabilidade superior a de qualquer outro material
  • Componentes cerâmicos- durabilidade pode ser considerada infinita (>1000 anos);
  • Excelente Flexibilidade e Versatilidade
  • Componente de alvenaria é o pré-fabricado de menor módulo- máxima flexibilidade;
  • Facilidade de composição de elementos de qualquer forma e dimensão;
  • Facilidade e baixo custo de produção dos componentes (85 à 98% da alvenaria, em volume)
  • Produção não-poluente, sem geração de resíduos prejudiciais ao meio ambiente;
  • Relativamente baixo consumo energético;
  • Facilidade de produção por montagem ou conformação.
  • Transporte e estocagem com poucos danos e sem necessidades específicas,
  • Baixa complexidade no planejamento e gestão de serviços, etc;
  • Maior aceitação pelo usuário, maior aceitação pela sociedade.
  • É a primeira opção de compra do mercado. “O sonho da casa de alvenaria”;
  • Não existem quaisquer restrições em ralação a sanidade das construções de alvenaria;
  • Não polui o meio ambiente quando descartado. Se necessário é 100% reaproveitado

Desvantagens da Alvenaria de Vedação

  • Como não se utiliza projeto de alvenaria, as soluções construtivas são improvisadas durante a execução dos serviços;
  • A mão-de-obra pouco qualificada executa os serviços com facilidade, mas nem sempre com a qualidade desejada;
  • O retrabalho: os tijolos ou blocos são assentados, as paredes são seccionadas para a passagem de instalações e embutimento de caixas e, em seguida, são feitos remendos com a utilização de argamassa para o preenchimento dos vazios;
  • O desperdício de materiais: a quebra de tijolos no transporte e na execução, a utilização de marretas para abrir os rasgos nas paredes e a frequência de retirada de caçambas de entulho da obra evidenciam isso.
  • Falta de controle na execução: eventuais problemas na execução são detectados somente por ocasião da conferência de prumo do revestimento externo, gerando elevados consumos de argamassa e aumento das ações permanentes atuantes na estrutura;
  • Elevada massa por unidade de superfície;
  • Necessidade de revestimentos adicionais para ter textura lisa;
  • Domínio técnico centrado na mão da obra executora
  • Com a necessidade e o uso de paredes cada vez mais altas, tem surgido vários problemas patológicos, causados por diversos fatores, tais como:
  • Utilização de balanços com vãos grandes e seções transversais reduzidas;
  • Falta ou inadequação de vergas e contra vergas nas regiões dos vãos;
  • Qualidade deficiente dos materiais utilizados (tijolos, blocos e argamassas) e da execução;
  • Problemas da ligação da estrutura com a alvenaria (ligação pilar/parede e encunhamento).

Entre em contato com a ARQCRUZ Engenharia para maiores informações.